O início

Já faz algum tempo que venho fazendo um trabalho “lado B” de produtor musical. Na verdade, não sou um profissional da área, mas tenho tentado me especializar com o intuito de obter um resultado satisfatório para minha primeira cliente.

No caso, essa cliente é a cantora Daniella Alcarpe. Durante todo o ano de 2010 trabalhei na divulgação do primeiro CD da Dani, o “Qué que cê qué?”. Por eu ter vindo da área de TI, minha estratégia foi usar principalmente a Web para divulgar a cantora. Foram várias e várias ações que incluem publicação do material da Daniella em sites de músicas, cifras, tablaturas, palcos virtuais de artistas, rádios online, tvs online, vídeos, além da formação de uma comunidade no Facebook e outras redes sociais e o contato com vários profissionais do ramo musical, em busca de parcerias.

Ao longo de todo esse ano aprendi muitas coisas sobre a Arte de produzir. Sei que ainda tenho muito que aprender, estamos apenas começando, mas já podemos dizer que ficamos muito satisfeitos com o resultado que obtivemos após esse ano de trabalho.

Acredito que o tipo de trabalho que fiz deve ser um pouco diferente do produtor tradicional, por algumas razões:

  • A primeira delas é que nós praticamente não temos nenhum recurso financeiro para patrocinar o trabalho. Isso mesmo: não tem grana! E aí vai a primeira lição aprendida: a Lei Rouanet não serve para nada, não ajuda! Pelo menos para artistas desconhecidos, que estão começando, é praticamente impossível obter patrocínio de empresas para o seu projeto, quando ele não está enquadrado no artigo 18. Nós tivemos o projeto da Daniella aprovado pelo Ministério da Cultura, porém depois de 2 anos de tentativas, nem um centavo de patrocínio. Como não temos dinheiro, a maioria das ações são focadas em coisas que exigem pouco dinheiro (ou nenhum).
  • A segunda razão é que eu não conheço ninguém desse ramo. Tive que aprender tudo na marra, conheci algumas pessoas, mas praticamente não estou inserido nesse ramo, ou seja, não faço parte do networking de produtores, não faço parte da panelinha (se é que ela existe…)
  • A terceira diferença do meu trabalho é que eu sou um cara de Internet. Eu trabalhei mais de 4 anos na Locaweb, maior empresa de hospedagem de sites da América Latina, sou desenvolvedor de software há mais de 15 anos, então conheço razoavelmente bem como a Web funciona. Esse meu conhecimento facilita principalmente na parte técnica do trabalho. Não dependo de NINGUÉM para colocar qualquer coisa na Web, desde um site, blog, podcast, vídeos no Youtube, etc.
  • A última diferença é que a forma de distribuir e vender música está mudando. Está mudando muito! Muita gente já percebeu isso, mas a maioria das produções ainda não sabe muito bem como agir no mundo virtual. Mesmo a presença de artistas consagrados é muito tímida na Internet, isso quando não é completamente nula. Por causa dessa enorme mudança, hoje É  POSSÍVEL que um artista fora da grande mídia seja conhecido e compartilhe sua Arte com o mundo, sem o intermédio de grandes organizações. Claro que, depois que o artista se torna conhecido, a grande mídia se interessa por ele e começa a divulga-lo ainda mais.

Esse blog tem como objetivo apenas compartilhar lições aprendidas e criar uma facilidade para as pessoas menos experientes com o mundo virtual. Artistas independentes, pequenos produtores, pessoas com pouca destreza com a internet podem se beneficiar de algumas dicas que postarei aqui. Não tenho por objetivo ser dono da verdade nem pretendo revelar nenhum grande segredo para alguém se tornar famoso. Acredito que a fama é uma consequência de várias coisas, algumas delas dentro do nosso campo de ação, outras não.

Antes de querer ser famoso, acho que o primeiro objetivo de todo artista deveria ser o de ser autêntico e do compromisso com a verdade. Trabalhar para a humanizar deveria ser o foco do artista. Também não podemos ignorar o fato de que a fama traz consigo uma série de armadilhas que podem transformar a vida do artista num inferno. É preciso muita maturidade e sabedoria para lidar com a fama. Essa maturidade é mais fácil de ser conquistada se as coisas acontecerem de forma natural, no tempo adequado, para que as adaptações psicológicas da pessoa possam se estabelecer por completo.

Gostaria muito de ouvir a opinião de todos sobre os artigos desse blog, não quero que esse canal seja uma via de mão única, mas apenas uma oportunidade para debatermos e trocarmos experiências. Espero que gostem de que está por vir!

10 comentários

  1. Parabéns pelo blog Daniel! E é claro, parabéns pelo bom trabalho desenvolvido com a Dani no último ano! Eu que me encontro numa situação muito parecida com a sua (com a desvantagem de não ter tanta intimidade com a internet), sei o quanto é difícil tentar desbravar estes tortuosos e confusos caminhos da divulgação de trabalhos de artistas independentes no Brasil. E também agradeço e admiro a sua iniciativa de ajudar quem está no mesmo barco. Como diz o Miro: “Tâmo” junto! Abraços. Letícia.

  2. Oi, Daniel! Parabéns pela iniciativa de repassar essas dicas valiosas pra quem está começando. Voltarei sempre aqui. Grande abraço. Junior Ribas

  3. Oi Daniel!!Gostei muito do blog, parabéns e com certeza vou aproveitar essas dicas que você está nos dando. Boa sorte com a carreira da Dani. Abraços. Vanessa

  4. Olá, Casal Dani!
    Parabéns pelo trabalho de vocês, musical e empresarial. Obrigado por compartilha-lhos conosco.
    Se vcs ainda não tentaram … tem o TRATTORE, site de venda de musicas pela net.
    Sucesso para vocês!!!!

  5. Grande Daniel, Feliz 2012. Admiro sua personalidade e seus interesses em seu projeto.
    Desde os 10 anos de idade estou no ramo da música. Atualmente, trabalho com TI e paralelamente como músico, tenho uma banda e tento produzí-la através dos conhecimentos adquiridos durante todo esse tempo.
    É um ramo ou um trabalho que dá prazer em executá-lo, pelo qual conseguimos realizar experimentos, e adquirir maturidade para seguir em frente.

    Me vejo no seu papel, como produtor, pois eu também, penso praticamente em tudo que envolve uma divulgação etc. Ainda não mergulhei pelo site, mas vou ler seus tópicos, mas já de inicio, vejo-o como uma grande oportunidade para troca de conhecimentos.

    Forte abraço e sucesso!
    Att,
    William Ramos
    (Vocalista da DB À BORDO)

  6. Boa tarde Daniel!
    Parabéns pelo blog. Sempre é de muita valia conhecer as experiências de outros.
    Me identifiquei com sua história porque é parecida com a minha. Embora não tenha a experiência que vc tem em internet.
    Tento ajudar minhas filhas nesse caminho da musica e, como tento fazer sem grana, considero a internet a melhor forma de fazê-lo.
    Seus artigos mostram algo que já percebi a algum tempo. Embora a rede tenha aberto um caminho para o artista independente, ela também trás algumas dificuldades. Fica cada vez mais difícil chamar a atenção. São muitas informações ao mesmo tempo e, se não conseguirmos nos destacar apresentando algo diferente, bem organizado, acabamos não sendo percebidos. As pessoas passam rapidamente e não voltam. Acho importante, por exemplo, conseguirmos que o visitante de nossas páginas deixem seus contato, e-mail etc. para podermos sempre enviar as novidades. Indico para os que não conhecem, no blog do Leoni http://leoni.art.br/
    O “Manual de Sobrevivência no Mundo Digital” que ele disponibiliza gratuitamente e que vem com dicas importantes mostrando o relacionamento dos artistas com gravadoras, mostrando como funciona o “Jabá”, ..vale a pena conferir. Serve como complemento ao seu trabalho, por que vc dá uma orientação mais apurada de como utilizar a rede na divulgação do artista.
    Minha dificuldade ainda é maior, porque preciso divulgar as meninas no exterior, uma vez que elas cantam e compõem em inglês.
    Abraços e, continue postando pois tem muita valia.
    Eduardo

    • Eduardo,
      obrigado pelo seu comentário e a dica do blog do Leoni. Faz tempo que atualizo esse blog e, por isso, demorei a ler sua mensagem.
      A divulgação no exterior, sem dúvida, é ainda mais complicada. Com a Daniella, deu muito certo usar o Jango (embora atualmente o Jango esteja perdendo tração) e promoção paga no Facebook. O fato de as suas filhas terem repertório em inglês é magnífico, isso ajuda bastante! Qual o nome delas?
      Desejo muita luz e prosperidade no caminho de vocês!
      Abraços
      Daniel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *